NASSAU'S OPTICS ON TOPICS


Hinógrafos


Música – Nº. 658

Hinos de Entzminger

Rolando de Nassáu

(Em comemoração do 40º. aniversário do falecimento)

Pesquisamos as edições de "O Jornal Batista" publicadas entre 10 de janeiro de 1901 e 11 de janeiro de 1930. Curiosamente, essas datas marcam a fundação de "O Jornal Batista" (1901) e o falecimento de Entzminger (1930). Algo semelhante ocorreu na biografia de João Filson Soren: sua posse no pastorado da PIB do Rio de Janeiro (03 de janeiro de 1935) e seu falecimento (02 de janeiro de 2002).

Depois de Salomão Luiz Ginsburg, foi o maior hinógrafo entre os missionários no Brasil. Entzminger escreveu, traduziu ou adaptou 72 letras de hinos para o "Cantor Cristão"(CC). Dos 72 hinos, menos de um terço deles (21) foram aproveitados no "Hinário para o Culto Cristão" (HCC).

Entre 1904 e 1925, previamente 26 foram publicados em "O Jornal Batista". Dos 26, foram abandonados 18 e aproveitados oito no HCC, que serão aqui comentados com o objetivo de mostrar as circunstâncias em que foram escritos por Entzminger.

Dos 18 hinos previamente publicados em OJB e que foram abandonados pela Comissão do HCC forneceremos agora as épocas de publicação: 1904 (nº.448-CC); 1908 (nº.370); 1909 (nºs.451, 466 e 502); 1910 (nºs.128 e 497); 1911 (nº.340); 1913 (nº.53); 1916 (nºs.187 e 413); 1917 (nºs.58, 210, 251, 305 e 499); 1918 (nºs.97 e 355).

"Tal qual estou" (CC-266, HCC-300) foi publicado em OJB (22 out 1908, p.1), depois de Entzminger ter traduzido quatro das seis estrofes de Charlotte Elliot escritas em 1834 para o hino "Just as I am". A poetisa inglesa ficou inválida em 1821, quando tinha 32 anos de idade; foi a primeira hinógrafa a compilar um hinário para deficientes físicos ("The Invalid’s Hymn Book", 1834-1854). Este hino foi traduzido quando Entzminger, em 1908, voltou dos EUA para o Brasil curado da lepra; ele, até então, dizia: "Tal qual estou, sem esperar que possa a vida melhorar, em Ti só quero confiar".

Ainda em 1908, sob o impacto da terrível doença, mas curado, Entzminger traduziu o hino "It is well with my soul", de Horatio Gates Spafford (CC-398, HCC-329). Tendo passado por grande provação, Entzminger, tal como Spafford (que perdeu quatro filhas no naufrágio do transatlântico "Ville du Havre"), poderia escrever: "Se paz a mais doce me deres gozar, se dor a mais forte sofrer, oh! seja o que for, Tu me fazes saber que feliz com Jesus sempre sou!". Este hino foi publicado em OJB (05 nov 1908, p.1), pouco tempo depois do "The Baptist Hymn and Tune Book" (1904).

Inspirado pelo hino patriótico norte-americano "My country, ‘tis of thee", de Samuel Francis Smith, Entzminger fez uma adaptação ("Do meu país Brasil, ó terra varonil, é meu cantar"), que a Comissão do HCC alterou em 1990. O hino (CC-574, HCC-600) foi dedicado aos alunos dos colégios evangélicos no Brasil (OJB, 06 abr 1910, p.2). É possível que Entzminger, então diretor de "O Jornal Batista" e residente no Rio de Janeiro, tenha ficado entusiasmado com a recente organização, pelo missionário John W. Shepard, do Colégio Batista do Rio. Na época, o Itamarati incentivava o intercâmbio cultural entre o Brasil e os EUA.

O vetusto hino "Rock of Ages", de Augustus Montague Toplady, foi traduzido em 1913 ("Rocha eterna, foi na cruz que morreste tu, Jesus", CC-371, HCC-307), quando Entzminger já estava em seu 20o. ano de ministério no Brasil (OJB, 31 jul 1913, p.2).

O célebre hino "Stille nacht", escrito por Joseph Mohr em 1818, foi traduzido do alemão para o inglês por John Freeman Young. Provavelmente usando essa versão inglesa, um século mais tarde o hino de Mohr foi traduzido por Entzminger ("Noite de paz! Noite de amor!", CC-30, HCC-91, OJB, 01 nov 1917, p.1).

Também em 1917, Entzminger traduziu outro hino famoso, o "Brighten the corner where you are", escrito em 1912 por Ina Duley Ogdon, o que demonstra que Entzminger, em plena Primeira Guerra Mundial (1914-1918), procurava acompanhar o lançamento de novos hinos evangelísticos; deu-lhe o título "Brilha no meio do teu viver" (CC-417, HCC-488, OJB, 04 e 11 jan 1917, p.1).

Das quatro estrofes do hino "Have Thine own way, Lord", de Adelaide Pollard, Entzminger traduziu livremente três, sob o lema "Cristo, bom Mestre, eis meu querer" (CC-175, HCC-369); o hino tinha sido publicado em 1907 no "Alexander’s Supplement" para o "Northfield Hymnal", compilado por George Stebbins, e na coletânea "Kingdom Songs" (1921). Sua esposa Maggie Grace tinha falecido recentemente quando Entzminger escreveu a letra do hino, o que é muito provável (OJB, 01 dez 1921, p.11). Não nos parece ter sido escrito quando seus filhos morreram (1891 e 1894) no Recife (PE); o hino de Adelaide Pollard foi originalmente escrito mais tarde (1902); nem quando viajou para os EUA (1904) para tratar-se da lepra (ver: Edith Brock Mulholland, HCC-Notas Históricas. Rio de Janeiro: JUERP, 2002, pp.286 e 287).

Entzminger escreveu o estribilho (aproveitado no hino "Com alegria venho, ó Deus", HCC-367) e as estrofes do hino "Aqui no mundo branda luz" (CC-528), que foram publicadas em 1925, sem a música de Robert Harkness (OJB, 08 jan 1925, p.13). Era um hino dedicado às crianças de nossas igrejas. Na época, Entzminger estava casado com sua segunda esposa, a missionária Amélia Joyce.

Lamentavelmente, do CC não foram aproveitados, entre outros, os hinos nos.53, 97, 210, 340, 370, 413, 451, 466 e 499; estes estavam entre os hinos mais queridos do povo batista no Brasil. Eram hinos de Entzminger.

(Publicado em "O Jornal Batista", 22 jul 2002, p. 4).

Retorna ao Menu de Artigos


Música - Nº. 662

Hinos de Manuel Avelino

Rolando de Nassáu

Manuel Avelino de Souza (10 nov 1886 – 27 set 1962) nasceu na Bahia; lá se converteu, e foi batizado, em dezembro de 1906, graças à pregação evangelística de Salomão Luiz Ginsburg (1867-1927).

Era empregado de um armazém, onde também vendia bebidas alcoólicas, sendo considerado indispensável pelo seu patrão por causa de sua honestidade. Em junho de 1907, com 21 anos de idade, assistiu a primeira assembléia da Convenção Batista Brasileira. Em 1910, conversando longamente com T.B.Ray, secretário-auxiliar da junta de missões estrangeiras da convenção batista do Sul dos Estados Unidos da América, decidiu-se pelo trabalho evangelístico, apesar da resistência de seu patrão.

Foi para o Rio de Janeiro; entre 1911 e 1916, freqüentou, juntamente com Ricardo Pitrowsky e Sebastião Angélico de Souza entre outros, o Colégio Batista e o Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil; durante os estudos, foi evangelista, auxiliando o missionário William Edwin Entzminger, pastor da Primeira Igreja Batista de Niterói e redator de "O Jornal Batista". Em 1916, bacharelou-se em Teologia, na primeira turma formada pelo STBSB.

Em 1917, obteve o grau de Mestre em Teologia; em agosto desse ano, foi consagrado pastor da PIB de Niterói e iniciou a construção do templo dessa igreja.

Em 1918, pouco tempo depois de ter concluído os cursos no seminário, aconteceu a sua primeira eleição para a presidência da CBB.

Em dezembro de 1919, casou-se com D.Eva. Em 1921, inaugurou o templo da PIB de Niterói, na Rua Visconde de Sepetiba (ver: OJB, 21 dez 86, p.2).

Nos anos de 1923 e 1924, fez curso de aperfeiçoamento em Homilética no seminário batista de Louisville, Kentucky (EUA). Em 1925, 1928 e 1929, foi novamente eleito presidente da CBB.

Em 1929, obteve o doutoramento em Filosofia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Rio de Janeiro.

Foi professor de Filosofia, Teologia e Homilética no STBSB e fundou o Colégio Batista de Niterói.

Em 1930, foi eleito 2º. vice-presidente do Congresso Batista Latino-Americano.

Em 1931, traduziu o livro "A Wandering Jew in Brazil" ("Um Judeu Errante no Brasil"), autobiografia de Salomão Luiz Ginsburg.

De 1934 a 1939, ocupou uma das vice-presidências da Aliança Batista Mundial. Em 1941 e 1942, foi eleito presidente da Convenção Batista Brasileira, voltando, em 1945, pela sétima e última vez, à essa presidência.

Foi duas vezes orador oficial da Convenção Brasileira (1920 e 1932) e várias vezes presidente da Convenção Fluminense.

Em 1960, construiu o segundo templo, na Rua Marquês do Paraná, diante da principal artéria da então capital fluminense.

Manuel Avelino faleceu em 27 de setembro de 1962 e foi sepultado no cemitério de Maruí, em Niterói (RJ).

Ele escreveu para o "Cantor Cristão" 26 letras originais e adaptou três letras que encontrou traduzidas.

Pesquisamos as edições de "O Jornal Batista" dadas a lume entre 1917 e 1928; nesse período, foram publicados 14 hinos, dos quais 11 foram aproveitados no "Cantor Cristão". Os três hinos que não foram incluídos no CC são os seguintes: 1) "Vinde a Jesus", escrito no Rio de Janeiro em 1º. de outubro e publicado em OJB (25 out 1917, p.9); 2) "Cristo, o Mestre, nos manda", dedicado a João Isidro de Miranda (OJB, 30 ago 1928, pp.1 e 7); 3) "Santos hinos de louvores", escrito em Niterói em 27 de setembro e dedicado à PIB de Vitória (ES), Loren M.Reno e Almir S.Gonçalves (OJB, 04 out 1928, p.11).

Justamente o mais famoso, "Temos por lutas passado", escrito em 1917, quando iniciava-se a construção do templo da Rua Visconde de Sepetiba, embora tenha entrado em sucessivas edições do CC, inclusive por ocasião da revisão de 1958, não foi previamente publicado em OJB.

Presumivelmente, foram escritos, e talvez publicados em OJB, depois de 1928, mais 18 hinos, os quais não temos condições de determinar as suas datas de composição; seria necessário pesquisar as edições de OJB entre 1928 e 1971, quando foi lançada a 36a.edição.

Em 1921, foram publicados cinco hinos: "Hoje, inaugurase aqui" (CC-564) e "Vamos nós louvar a Deus" (CC-385), escritos especialmente para a inauguração do templo na Rua Visconde de Sepetiba, ocorrida em 17 de abril de 1921 (OJB, 21 e 28 jul 1921); o hino "Nós iremos com Cristo Jesus" (CC-495), uma adaptação feita por Manuel Avelino em 1º. de outubro (OJB, 13 out 1921, p.5); o hino "Bendito Senhor, nosso Rei Jesus" (CC-418), dedicado à Sociedade Feminina da PIB de Niterói (OJB, 17 nov 1921, p.5) e o hino "O povo, sim, coberto de densas trevas" (CC-29), escrito para o Natal (OJB, 22 dez 1921, p.4).

O hino missionário "Disse Jesus: Ide por todo o mundo" (CC-438) foi escrito em Niterói, em 15 de maio, e dedicado à CBB (OJB, 25 maio 1922, p.6). Escritos também em Niterói, os hinos sobre oração: em 21 de julho, "Nosso Deus e Pai bondoso" (CC-158) (OJB, 27 jul 1922, p.11); em 31 de agosto, "Ó Deus bendito, atende o nosso rogo" (CC-156) (OJB, 12 out 1922, p.3).

No início de 1923, três hinos que falam de amor foram escritos antes de viajar para o seminário de Louisville: 1) "Duas vidas" (CC-567), dedicado a Esther Silva Dias (OJB, 04 jan 1923, p.8); 2) "Oh! Maravilha do amor de Jesus" (CC-36) (OJB, 08 fev 1923, p.1) constou do 1º. fascículo da la. edição musicada do CC, que foi lançada, na íntegra, em 1924; 3) "Que doce voz tem meu Senhor!" (CC-384) (OJB, 19 abr 1923, p.1).

Por intermédio da Ir.Flávia Mirtes Cunha dos Santos, o venerando pr.Samuel de Souza (PIB do Ingá, em Niterói, RJ), filho de Manuel Avelino, prestou-nos valiosas informações sobre mais quatro hinos, que a seguir adicionamos a este artigo. O pr.Samuel de Souza esclareceu que o hino intitulado "A chamada" ("Vinde a Jesus") (OJB, 25 out 1917, p.9), não incluído no "Cantor Cristão", foi escrito para a posse do pr.Leobino Rocha Guimarães; que o hino intitulado "A tarefa da Igreja", com música de C.H.Gabriel ("Cristo, o Mestre, nos manda"), foi dedicado a João Isidro de Miranda, membro da Igreja Batista em Castro Alves (BA); que o hino dedicado aos 25 anos (1903-1928) da PIB de Vitória (ES), com o título "Reconhecimento", era uma adaptação do hino no.62 do "Cantor Cristão" (1971).

Em 1921 e 1924, foram publicados mais dois hinos: "Vida feliz" (OJB, 01 dez 1921) e "Natal de Jesus" (OJB, 25 dez 1924), possivelmente enquanto estudava em Louisville, Kentucky (EUA).

Para a revisão de 1958, Manuel Avelino escreveu, musicados por sua filha Helena de Souza, os hinos alternativos: "Unidas trabalhando" (no.486), para ser cantado pelas senhoras da PIB de Niterói (RJ); "Vamos à guerra santa!" (no.352); "A nossa fortaleza é Deus" (no.402), para a consagração do pr.Rafael Zambrotti; e "Nós iremos com Cristo Jesus gozar uma vida de eterno prazer e amor" (no.439).

O pr.Samuel de Souza esclareceu ainda que o hino "União vital" ("Duas vidas, Senhor, se unem num só ser"), dedicado a Esther Silva Dias, tinha sido usado em 1922 também no casamento do pr.Alberto Portela (CC-495, ed.1958, CC-567, ed.1971).

A CBB, em sua assembléia, em janeiro de 1958, mandou publicar a revisão do CC, feita por uma comissão composta de Manuel AveLino, Ricardo Pitrowsky, Moisés Silveira e Alberto Portela. Uma revisão radical: de acordo com o relatório, das 29 letras de Manuel Avelino, 10 deveriam ser retiradas do CC. Mas em 1971 os hinos nºs. 29, 51, 52, 83, 94, 156, 336, 495, 511 e 555-CC, escritos por Manuel Avelino, foram poupados de serem excluídos do CC (36a. edição), o que tinha sido aprovado pela Comissão de 1958, presidida pelo próprio hinógrafo!

Manuel Avelino não era músico, mas sabia escolher música para as letras de seus hinos. Aproveitou músicas de Bliss, Bradbury, Gabriel, Kirkpatrick, Miles, Ogden, Scholfield, Sweeney, Towner e outros.

Manuel Avelino captou melodias de agrado popular. Não era músico genial, mas tinha que ser um poeta congenial. Acostumada ao cantochão das ladainhas católicas, repetitivas até a exaustão (os cânticos evangélicos da atualidade são tão repetitivos quanto os mantras), a religiosidade brasileira em contato com o canto evangélico recebeu a novidade de afirmações doutrinárias serem cantadas em estrofes. Além disso, o ritmo do "gospel hymn" era um elemento de modernidade no canto religioso, que atraía os que se aproximavam das "novas seitas".

Na primeira metade do século 20, a música evangélica tinha sua identidade, não se confundia com a música profana popular.

Amigo da música tradicional, Manuel Avelino pressentia a aproximação, na década de 50, de estilos musicais incomuns e extravagantes, que poderiam desvirtuar (como desvirtuaram, depois de 1960!) o canto congregacional dos batistas. Afinal de contas, cabia-lhe preservar a hinodia constante do "Cantor Cristão", do qual era um dos poucós contribuintes brasileiros. O "gospel-rock" estava começando a desembarcar nas praias de Niterói ... Mais tarde, viriam os teclados, as guitarras, os saxofones, as baterias, os pandeiros, a coreografia, a dança ...

Qual foi a contribuição de Manuel Avelino? Dar sentimento nacional a uma hinodia importada; não poderia oferecer-lhe uma melodia de índole nativa, por não ser músico.

A Comissão do HCC mostrou-se mais radical: das 29 letras, somente cinco (CC-94=HCC-304; CC-191=HCC-296; CC-335 =HCC-497; CC-361=HCC-251; CC-454=HCC-502) foram aproveitadas no "Hinário para o Culto Cristão" (HCC).

No dizer de José dos Reis Pereira, as obras de Manuel Avelino de Souza "permanecem e testificam do grande valor de sua vida" (OJB, 09 nov 1986, p. 1).

(Publicado em "O Jornal Batista", 01 dez 2002, p. 4).

Retorna ao Menu de Artigos


[ TÓPICOS | TOPICS IN ENGLISH | ESPAÇO ABERTO | GALERIA | LINKS | AGENDA | ARTIGOS | HOME ]


ROLANDO DE NASSÁU NA INTERNET
Fone: (061) 3344-3981 - Brasília, DF - Brasil
E-Mail:nassau@abordo.com.br